13:20 – Ministro Helton Yomura foi afastado do cargo hoje e intimado a depor na Polícia Federal

O ministro do Trabalho e o túnel Moura do PTB foi afastado do cargo hoje intimado a depor na Polícia Federal, ele é um dos investigados na 3ª fase da operação, o registro espúrio que apura fraudes na concessão de registros de sindicatos. A reportagem é da Camila Bonfim e da Ana Paula, Andrea Walla.
A operação mirou políticos do PTB partido que 2º as investigações, lote ou Ministério do Trabalho no ministério, a Polícia Federal chegou cedo para cumprir buscas no gabinete de Elton e o muro que foi afastado do cargo de ministro

do Trabalho afastamento foi pedido pelos investigadores e autorizado pelo ministro Edson Fachin relator da operação no Supremo Tribunal Federal.
Elton e o Moura foi notificado do afastamento do cargo de ministro às 7 e meia da manhã, neste hotel onde mora em Brasília, por decisão do ministro Joaquim, ele também está proibido de frequentar o Ministério do Trabalho e de ter contato com os outros investigados. A PF fez buscas também em endereço dele no Rio da TV Globo teve acesso ao conteúdo das investigações sobre o autor e o muro que apontou a ligação dele com a deputada federal, Cristiane Brasil e seu pai, o ex-deputado e presidente nacional do PTB Roberto Jefferson, os 2 já foram alvos dessa investigação em fases anteriores.
A Polícia Federal diz que é o túnel Moura foi lançado ao cargo de ministro do trabalho com o objetivo de permitir o prosseguimento da empreitada criminosa e de fato buscando viabilizar a ingerência de Cristiane Brasil e a continuidade dos desmandos de Roberto Jefferson no órgão, a organização criminosa colocou no cargo máximo da pasta, alguém devidamente compromissados com os interesses do grupo papel que coube a Elton em um muro que ao que tudo indica, não passa de um testa de ferro dos caciques do PTB e que alto mil Moore a mais do que apenas ter ciência e se omitir diante das fraudes perpetradas no âmbito da Secretaria de relações de trabalho tem participação ativa no esquema atualizando e orientando a passam de membros do núcleo administrativo da organização criminosa e o Moura prestou depoimento na Polícia Federal em Brasília, às 10 e meia da manhã.
O depoimento durou pouco menos de uma hora e o muro ficou calado não respondeu a nenhuma das perguntas feitas pela PF, essa foi a 3ª fase da operação registro espúrio que investiga fraude na concessão de registros sindicais no Ministério do Trabalho, a suspeita que entidades ligadas aos políticos investigados, eram privilegiadas nos registros.
Em troca de vantagens indevidas, os agentes também estiveram na Câmara no gabinete do deputado Nelson Marquezelli que acompanham as buscas porque já estava no gabinete.
Às 6 da manhã, nada a temer a TV sob esse líder do PTB, o PTB e hoje administra Ministério do Trabalho, houve denúncias várias denúncias e a polícia ou de forma que todos os deputados do PTB serão investigados seus gabinetes.
Para ver se tem alguma ligação com concessões, registro, sindicatos.
Um assessor dele Jonas Lima foi preso em Brasília, suspeito de atuar de forma ilegal na Secretaria de Relações do Trabalho do ministério para favorecer entidades sindicais.
No apartamento dele, a polícia apreendeu 95 o mil reais em dinheiro no Rio foi preso Adriano José Lima Bernardo superintendente regional do Trabalho.
Elton e o muro estava no Ministério do Trabalho desde outubro do ano passado antes, ele atuava no Rio de Janeiro, como conta a repórter Gioconda Brasil.
Eu estou em um muro e se filiou ao PTB em 2014 foi superintendente regional do Ministério do Trabalho no Rio de Janeiro, onde é réu no processo que investiga o furto de energia elétrica por uma empresa da qual foi sócio até agosto de 2015 atuou como superintendente até o ano passado, quando veio para Brasília em outubro.
Para assumir a secretaria Executiva do ministério 4 meses depois em fevereiro deste ano e outro em um muro e foi indicado para o comando da pasta, mas só assumiu o cargo definitivamente, em abril.
O nome de um mural foi a solução interna encontrada pelo mandar chuva do PTB, o ex-deputado Roberto Jefferson, que provocou uma crise com o Governo na tentativa de emplacar a filha dele, a deputada federal, Cristiane Brasil.
Como ministra do trabalho, o impasse em torno da nomeação de Cristiane Brasil começou depois da indicação dela para o ministério a deputada tinha sido condenado em ações trabalhistas. A cerimônia de posse chegou a ser marcada, mas foi suspensa por ordem da Justiça virou uma briga judicial que foi parar no Supremo Tribunal Federal, o ministério tem orçamento de quase 86 bilhões de reais com o afastamento de alto e o buraco os 2 cargos mais importantes da pasta estão vazios, o secretário executivo, Leonardo Arantes está preso desde junho, ele também foi alvo de uma fase anterior da operação.